assobiar

Dizem por aí que ele era um homem feliz, sempre alegre, sempre a assobiar. Já não me lembro. Da minha memória já só faz parte aquele homem perdido, sem expressão.


Não sabia onde estava, não sabia quem eram aquelas pessoas que o rodeavam, não sabia quem era. Mas assobiava. Assobiava a melodia da ignorância, da ingenuidade. Fazia transparecer um sentimento de confusão, de quem anda perdido, de quem já não sabe nada. Tudo aquilo que os anos lhe tinham ensinado e a rugas tinham testemunhado parecido perdido, tal como uma agulha no palheiro - as esperanças de a voltar a encontrar eram nulas. As memórias levou-as o vento, quando S. Pedro decidiu deixar aquele homem sem nada. Porque, afinal, tudo o que ele tinha tido um dia eram memórias, recordações, uma vida.
E ele continuava a assobiar, alienado da realidade, no seu próprio mundo, onde não cabia mais nada para além do seu corpo, da sua mulher, que nunca desistiu, e do seu lar, que muitas vezes era difícil reconhecer. Tudo o resto era desconhecido, não fazia parte. E continuava a assobiar

8 comentários:

...victinho disse...

Profundo, mas bonito!!!!
Abracinhos

Zaida disse...

Miuda, tu tens um jeitao para escrever!=) Parabéns*

maria p disse...

muito bonito, sofii! este foi forte ahah. love youu

The girl in the bubble disse...

Lindo!adorei a parte do "Assobiava a melodia da ignorância, da ingenuidade. Fazia transparecer um sentimento de confusão, de quem anda perdido, de quem já não sabe nada" (: beijo*

Camille. disse...

Texto lindo. Há pessoas assim, com o dom da palavra. : )

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Vivia ele num mundo so dele.. pouco preocupado... as vezes é necessario (mas sem assobiar :D)

Beijo meu ♥,

A Elite

abreu disse...

uma fuga num pormenor - um pormenor que captaste muito muito bem

martini disse...

calaaaa-te, não sabes escrever. (ESTE TEXTO ESTÁ UMA PORCARIA, ODIEI)
got it? ahah
beijinhos sofia, confia em ti, tu tens a "cena", aquela "cena".

desde 24 de Janeiro/2011

Com tecnologia do Blogger.