#51

acordar, tomar banho e siga para a biblioteca. bolas, as papas de aveia hoje ficaram mesmo cremosas -  e ainda me sobrou iogurte de pêra! mas que bem. ah, o café está demasiado quente, já são 11 da manhã, se calhar mudo-me da cama para a secretária e deixo-me ficar por casa.
almoço: junto aqui um tofu com ervilhas, talvez até pasta de caril e gengibre. ok, o tofu não presta e ficou intragável, acho que tâmaras e manteiga de amendoim por agora servem. dizem que nos devemos mimar ao fim-de-semana, que se lixe o almoço, passo logo para a sobremesa.
75 euros pela bicicleta? não interessa, é azul e eu preciso mesmo dela. 4 da tarde é demasiado tarde, encontramo-nos antes as 2, espero que não se importe. sim sim, está ótima, velha, eu sei, mas anda e é isso que é preciso.
pensando melhor, se calhar é demasiado velha, se calhar foi demasiado cara, se calhar não a posso devolver. boa, não vale a pena pensar mais nisso, vamos ao centro comer um gelado. sábados foram feitos para segundas sobremesas. nutella? sim. chocolate? sim. sim sim, ponha também bolachas, isto hoje não está fácil. mas já chega, já fui chorar para um provador enquanto fingia que experimentava um vestido, já me massacrei demasiado, acho que preciso de ir para casa dormir.
4 da tarde. o quê, 65 euros por essa bicicleta tão gira? já tenho uma, mas não tem problema, atravesso a cidade pela segunda. ok, anda, trava e está bem para a minha altura. compro. sigo o meu caminho. o assento magoa-me e a bicicleta está torta, pois ora bem, parece-me que uma terceira já seria demasiado - mesmo para mim. nada a fazer. vamos para casa estudar, que a vida não é só isto.
precisas de uma bicicleta? vendo uma por 65, é azul e velha ótima. 55? não. 60 e ficamos com o assunto arrumado. são 8 da noite, saio de casa pela milésima vez, ora bolas esqueci-me das chaves do cadeado, é desta que saio, oh não esqueci-me das luvas, o que vale é que é só um lance de escadas, vamos embora. 8 e meia à porta do museu, negócio fechado.
quero ir para casa. quero falar com a minha mãe, agradecer à minha irmã e fechar-me no quarto. tenho mil textos para ler e mais uns quantos para fazer, mas hoje não foi o dia. hoje foi não. do princípio ao fim.

e tenho vergonha disso.

desde 24 de Janeiro/2011

Com tecnologia do Blogger.