all is full of love

deito-me na cama, o peito carregado pelo colchão velho e nú, os lençóis que faltam e abandonam uma alma adormecida. sinto o meu batimento cardíaco, o corpo lateja ao ritmo do pulsar da máquina vital, essa que se pensava ter morrido. durante tempos infinitos vivi insensível, sob efeito de uma anestesia que me forçaram a encarar - durante tempos incontáveis o meu coração esteve parado, ligado a alguém que trabalhava por ele.
é noite, sem estrelas no céu ou lua que se veja, e o insolente órgão decidiu voltar a existir, substituir a força do meu cérebro, acordar-me para a vida.


2 comentários:

Morce disse...

Nunca é tarde de mais.
Adoro-te *

Linus disse...

Heartbeat...é bom sentir o coração quentinho
Beijinhos

desde 24 de Janeiro/2011

Com tecnologia do Blogger.